Está programação poderá sofrer alterações de conteúdo

1ª ETAPA - 09 de junho - 16h30 às19h

16h30 às 17h40
A iniquidade no acesso a tratamento sistêmico: quais são os ajustes regulatórios necessários para resolver esse problema?
Proposta do tema: Um dos maiores gargalos da atenção oncológica no SUS é a iniquidade no acesso a tratamento sistêmico. Novas tecnologias vão sendo incorporadas, mas não ofertadas, seja por falta de uma coordenação nacional na aquisição dos medicamentos seja por falta do correspondente reajuste na tabela de procedimentos no SUS. Consequentemente, fica muitas vezes inviabilizada a inclusão desses tratamentos nos protocolos de conduta dos hospitais habilitados em oncologia no SUS. O tema vem sendo debatido há anos, mas quase nada foi feito para superar esse desafio. A proposta da mesa é bastante prática: quais ajustes regulatórios poderiam ser feitos para eliminar ou mitigar os fatores centrais que levam à desigualdade no acesso ao tratamento sistêmico.
Palestrante: Renan ClaraCláudia Osório
17h40 às 17h50 – Intervalo
17h50 às 19h
Quais os principais nós críticos e propostas de ações previstos no novo Plano de Atenção Oncológica do Estado de São Paulo e qual o papel dos hospitais filantrópicos?
Proposta do tema: No final de 2020, o Grupo Condutor Bipartite de Doenças Crônicas Não Transmissíveis elaborou o Plano de Atenção Oncológica do Estado de São Paulo. Esse plano apresenta uma série de nós críticos relacionados aos três níveis de prevenção à saúde (primária, secundária e terciária), bem como aos mecanismos de regulação e monitoramento/avaliação. Para cada nó crítico, são apresentadas propostas de ações que, se implementadas, podem contribuir para a garantia de uma atenção oncológica mais justa no Estado de São Paulo. A ideia da mesa é conhecer com mais profundidade a inteligência por trás do Plano de Atenção Oncológica e discuti-la na perspectiva do setor filantrópico da saúde.
Palestrante: Lise Cristina Pereira Baltar CuryPascoal Marracinni

2ª ETAPA - 10 de junho - 16h30 às19h

16h30 às 17h40
Como os hospitais estão se preparando para o provável cenário de aumento dos casos de câncer avançado em função do represamento de diagnósticos durante a pandemia?
Proposta do tema: O real impacto da pandemia sobre a assistência a outras patologias só será conhecido daqui a alguns anos. Contudo, dados como o apresentado no Radar do Câncer / Especial Covid-19 (https://bit.ly/3lfjwHZ) anunciam uma verdadeira epidemia de novos casos de câncer em estágio extremamente avançado. O objetivo desta mesa é retomar a discussão do Fórum passado sobre quais estratégias institucionais e regulatórias já foram, estão sendo ou serão implementadas para minimizar os efeitos da pandemia na atenção oncológica.
Palestrante: Thais Inácio De Carvalho, Sérgio Dias Henriques e Carla Bakhos Milani
17h40 às 17h50 – Intervalo
17h50 às 19h
Os gargalos que dificultam o acesso em tempo oportuno à radioterapia e à cirurgia oncológica.
Proposta do tema: É de conhecimento público que o investimento em cirurgia oncológica e radioterapia garantiria, de uma só vez, (a) melhor prognóstico do paciente com câncer e (b) maior eficiência na aplicação dos recursos públicos. Não obstante o poder público tenha adotado algumas medidas nos últimos anos para aumentar o acesso e a qualidade dos tratamentos cirúrgicos e radioterápicos, tais medidas foram insuficientes ou pouco efetivas. Quais soluções estão sendo idealizadas e quais delas priorizar no cenário atual?
Palestrante: Marcus Simões Castilho, Alexandre Ferreira Oliveira, Éderson Roberto Mattos e Michael Chen.